‘Só escutei os gritos de desespero

O jornalismo da RCO conversou com exclusividade com a professora que estava na sala de aula onde três crianças morreram

Há 2d

O jornalismo da RCO conversou com exclusividade com a professora que estava na sala de aula com as crianças que foram mortas na Creche Aquarela, em Saudades. Emocionada e ainda em estado de pânico, a profissional que preferiu não se identificar, relatou que foram momentos de terror e que tudo aconteceu muito rápido.

- Foi tudo muito rápido, até agora não conseguimos entender tudo que aconteceu. Seria o horário do almoço das crianças, elas estavam acordando. Fazem período de sono até perto das 10:30 e depois almoçam. Nisso uma professora da sala ao lado disse que tinha um homem estranho no portão entrando na escola. A Keli, esta que faleceu disse que ia ver o que ele queria, nessa hora só escutei os gritos de desespero. Minha colega de sala, a Mirla, que também faleceu, entrou sangrando e se deitou, tentei pegar todas as crianças no colo para levar para fora e tentar fugir, mas nisso ele já vinha na minha direção. Não tive mais forças para nada, apenas para correr da sala e dele, precisava chamar ajuda – conta.

No momento do crime, quatro crianças e a professora estavam na sala de aula. Três alunos morreram e uma precisou fazer procedimento cirúrgico no hospital.  

 

Últimas notícias