A experiência de ir assitir o Grêmio na Libertadores

Mesmo longe de Porto Alegre, torcedores criaram um ambiente inexplicável

10/06/2024, 12:59
Atualizado há 12 dias
WhatsappFacebookTwitterTelegram
https://d20illa76ai7va.cloudfront.net/17d5e90233d13b436ee1e785dc91a4.jpeg
Por Felipe Eduardo
Festa feita pela torcida do Grêmio foi enalteceia pelos jogadores e pela imprensa (Foto: Felipe Eduardo Zamboni)Festa feita pela torcida do Grêmio foi enalteceia pelos jogadores e pela imprensa (Foto: Felipe Eduardo Zamboni)

Depois de uns sete anos, voltei a ir no estádio assistir um jogo Grêmio neste final de semana. Essa vez foi diferente, pela primeira vez pude ir com meu pai ao jogo e em um jogo de Libertadores. Dentro dessa nova experiência muitos pontos positivos e outros negativos precisam ser exaltados.

Vamos começar pelo o que é bom. Curitiba abraçou o Grêmio e seus torcedores. Em todos os cantos tinham adeptos do tricolor, foi assim na visita à Arena da Baixada, que por sinal é um estádio incrível, não tem palavras para descrever, foi da mesma forma no Jardim Botânico, no Shopping e nas ruas da cidade. A população local vinha conversar, desejava boa sorte, pedia sobre o time e muito mais. Realmente o Grêmio acertou na cidade onde mandar seus jogos.

Agora, o pico mais alto é a torcida. Aproximadamente 735 km separam a Arena do Grêmio do Couto Pereira, mas os torcedores pareciam estar em casa. Eu nunca estive no Olímpico, mas muitos dizem que a atmosfera era a mesma, só não teve avalanche.

Desde o lado de fora até nas arquibancadas, a Geral embalava o ritmo e todos acompanhavam. A estrutura tremia, a pele arrepiava, o coração batia mais forte. Era o Grêmio jogando Libertadores, a torcida organizada ao seu lado, uma experiência única que vale a pena.

Agora vamos para os pontos que não foram tão bons. O acesso ao estádio foi legal, deu para assistir bem, no entanto a estrutura de restaurantes, banheiros e outros pontos são bem antigos, algo “normal” para um estádio construído há mais de 90 anos. Literalmente é um estádio raiz. O pior foi a saída das arquibancadas, terrível, poucas saídas, uma experiência nada boa.

Já dentro de campo o Grêmio estava classificado, queria ficar na liderança do grupo, mas não jogou para isso. O primeiro tempo não foi dos melhores, muitas bolas forçadas, faltava a bola passar pelo meio de campo, ter triangulações, simplesmente não funcionou.

A volta para a segunda etapa animou, o time voltou aguerrido, marcando alto, com sangue nos olhos, o que logo resultou no gol de Cristaldo, aí sim a estrutura do estádio tremeu de vez. Os argentinos queriam catimbar o jogo, mesmo eliminados, eles deram trabalho e buscaram o empate. Até mesmo Renato disse que o time esteve abaixo da média.

Mesmo sem ter visto a vitória do Grêmio e com alguns pontos negativos, te falo, vale a pena a experiência, é algo único. A atmosfera feita em Curitiba pela torcida do Grêmio foi algo surreal. Longe de casa, fazer o que foi feito, poucos conseguem.

A torcida do Grêmio lotou toda parte destinada ao time no Couto Pereira (Foto: Felipe Eduardo Zamboni)