Prefeito Cena explica sobre a falta de medicamentos nas unidades de saúde

O mandatário contou que o município recebeu menos recursos do Governo Federal para comprar medicações

Gilmar Bortese
Por Gilmar Bortese
08/02/2024, 17:52
Atualizado há 19 dias
WhatsappFacebookTwitterTelegram
Falta de medicamentos atinge mais de 80% das cidades brasileiras  (Foto: Agência O Globo/IG Saúde)Falta de medicamentos atinge mais de 80% das cidades brasileiras (Foto: Agência O Globo/IG Saúde)

O prefeito de Pinhalzinho, Mario Afonso Woitexem, o Cena, explicou sobre a falta de alguns medicamentos nos postos de saúde do município. A explicação, foi durante a entrega de autorizações para procedimentos oftalmológicos, na tarde desta quinta (8), no plenário da Câmara de Vereadores. O mandatário rebateu críticas vindas do Legislativo e afirmou que a falta de medicação atinge mais de 80% das cidades brasileiras, por conta do baixo estoque para quase 90 substâncias. 

"É verdade, está faltando medicamento e estamos com medo que faltem os controlados. Mas as pessoas precisam saber o porquê está faltando. O Brasil depende de mais de 90 insumos que são importados e estão faltando. O problema é devido à pandemia, a frase "fique em casa" é a responsável e por muitos anos ainda vamos pagar esse preço. Outro motivo é que de dezembro a janeiro, os laboratórios de farmácia entram em férias coletivas e o estoque diminui", justifica. 

O prefeito também explicou que no último ano, o município recebeu menos recursos do Governo Federal para investir na área da saúde. "Faltou dinheiro para a saúde. Em 2023 o Governo Federal repassou dois milhões a menos para Pinhalzinho. Está faltando dinheiro, vocês acham que iriamos simplesmente cruzar os braços e deixar faltar remédio. É isso que está acontecendo e podemos continuar enfrentando essa falta de medicação. As pessoas precisam se informar mais e analisar antes de criticar", desabafou.

Relacionadas: